PF chega a Salvador para prender PMs em greve

Da Folha de S. Paulo e Agência Brasil:

São Paulo e Brasília – Quarenta homens do COT (Comando de Operações Táticas) da Polícia Federal desembarcaram neste domingo em Salvador para executar os mandados de prisão expedidos contra integrantes do movimento grevista da Polícia Militar.

Marcos Prisco, que teve moleza no MA, já tem prisão decretada

Os policiais federais também serão responsáveis pela remoção dos detidos para presídios federais.

Pela manhã, foi preso um dos 12 policiais militares grevistas que tiveram a prisão decretada na semana passada. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, o PM é acusado de formação de quadrilha e roubo de um carro da corporação.

Ele é lotado na Coppa (Companhia de Policiamento de Proteção Ambiental) e foi preso pelo comandante da companhia. Além de responder pelos crimes, o policial vai passar por um processo administrativo na própria corporação.

Ontem, o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), disse que os policiais militares em greve cometeram crimes que estão acontecendo em Salvador. Ele também disse que a categoria promove um “banho de sangue” para amedrontar a população.

O governador negou que pretenda autorizar a invasão da Assembleia Legislativa, onde os manifestantes estão acampados. Ainda segundo Wagner, os policiais que tiveram a prisão decretada são líderes do movimento e teriam sido identificados em atos de vandalismo.

Governador do PT pede e consegue prisão para policiais grevistas na Bahia

Vocês lembram da greve da PM no Maranhão? Na ocasião os deputados que fazem oposição irresponsável como Bira do Pindaré e Domingos Dutra (PT), Eliziane Gama (PPS), Neto Evangelista (PSDB), Rubens Júnior (PCdoB) e Marcelo Tavares (PSB), e o líder de todos, Flávio Dino (PCdoB), criticaram a governadora Roseana Sarney (PMDB) por ter pedido na ilegalidade do movimento e a prisão de seus líderes.

Arruaceiro profissional Marcos Prisco é quem comanda greve na Bahia

Como nada melhor que um dia após o outro, na sequência vieram as greves do Ceará, Pará e agora na Bahia. O govenador cearense Cid Gomes (PSB), o paraense Simão Jatene (PSDB), e agora o baiano Jacques Wagner (PT), principal fonte de inspiração política de Bira, fizeram o mesmo.

No Ceará o ex-ministro Ciro Gomes (PSB), irmão do governador do Ceará, classificou o movimento grevista como “conchavo de marginais fardados com marginais da quadrilha da droga que colocou toda a sociedade refém”. Ciro disse ainda que os militares pressionaram o governo de seu irmão usando “como escudo crianças e mulheres”.

Na Bahia a coisa está feia. A Secretaria de Segurança registrou 29 homicídios durante todo o dia de ontem e a madrugada deste sábado na região metropolitana de Salvador. Desses, 28 mortes ocorreram na sexta-feira, além de dez tentativas de assassinato.

Salvador está sendo sacudida por auma onda de saques a lojas, enquanto shows e vários eventos estão sendo cancelados por falta de segurança.

Em rede estadual de rádio e TV, Jacques Wagner anunciou a prisão de 12 pessoas ligadas à greve dos policias. O petista não citou os nomes dessas pessoas. O anúncio aumentou a tensão na Assembleia Legislativa, onde os grevistas estão acampados, a exemplo do que ocorreu no Maranhão.

“Não podemos conviver com um movimento já decretado ilegal pela Justiça”, disse o governador na TV. A PM da Bahia, segundo Wagner, “não pode permitir se transformar num instrumento de intimidação e desordem”. Ele afirmou que não vai aceitar que “um pequeno grupo cometa atos de desordem para assustar a população” (leia mais).

E agora Bira?

Quem está por trás da greve na Bahia é o mesmo arruaceiro profissional que dava ordens aos coronéis “balaios” Ivaldo Barbosa e Francisco Melo no Maranhão: Marcos Prisco, militante do PCdoB e hoje no PSOL (leia mais).

O objetivo de todos esses movimentos é fazer uma grande manifestação em vários estados durante a Copa de 2014.

Parece ser isso que desejam esses políticos que fazem oposição irresponsável.

Marcada nova reunião para definir fim da greve; policiais civis anunciam saída da Assembleia

Foi encerrada agora há pouco mais uma rodada de negociação do governo com os militares grevistas na sede da OAB. O secretário e senador licenciado João Alberto (Projetos Especiais) disse que o governo apresentou uma proposta de salário-base no valor de R$ 2.240, o que representa um aumento de cerca de 10%. A proposta está sendo analisada pelos policiais. Os grevistas querem reajuste de 30%. Foi marcada uma nova reunião para a próxima sexta-feira à tarde.

João Alberto disse que só conversa agora com grevistas maranhenses

João Alberto afirmou que nessa nova rodada de negociação não aceitará mais sentar à mesa com lideranças que não sejam maranhenses. Desde o início da greve vários ex-PMs de outros estados é que dão as cartas no movimento local. É o caso do baiano Marcos Prisco, acusado de falsidade ideológica, e o deputado por Roraima, Francisco Sampaio (PCdoB).

“Eles não conhecem a realidade local e vieram com propostas absurdas, como passar o salário de R$ 2.028 para R$ 3.800. Nenhum governo no país tem condição de pagar um aumento desse, mesmo que seja escalonado”, declarou o secretário.

Crise

Os policiais civis em greve anunciaram no final da tarde que irão se retirar do acampamento montado pelos PMs e bombeiros no prédio da Assembleia Legislativa.

A informação é do agente Marcelo Penha Cardoso, o Marcelo Tubarão, que usa a greve para alavancar sua candidatura a deputado em 2014, segundo ele mesmo tem posta em seu Facebook (veja post abaixo ou aqui). Tubarão chegou a classificar os militares de “traidores”.

Os civis estão chateados porque na negociação dos militares com o governo a pauta da categoria não foi incluída. Depois do anúncio da retirada, lideranças dos PMs e bombeiros estão tentando fazer os “companheiros” voltarem atrás.

No entanto, vários militares estão revoltados com os agentes por conta do documento enviado pelo Sinpol (Sindicato da Polícia Civil) e a Aspcema (Associação dos Servidores da Polícia Civil) à Secretaria de Segurança chamando de “inadmissível” qualquer tipo de comparação salarial com PMs e bombeiros, conforme revelou o blog com exclusividade (reveja).

Avança negociação entre governo e grevistas

Avançaram bastante as negociações entre o governo e os policiais grevistas em reunião realizada nesta terça-feira na OAB.

Bira e deputados foram barrados em reunião na OAB

O governo cedeu em vários pontos como na punição aos “amotinados”, que seriam suspensas. Estariam proibidas transferências aos participantes do movimento.

Uma nova reunião foi marcada para as 15h desta quarta.

Os grevistas foram representados na reunião pelo “arruaceiro profissional” Marcos Prisco, ex-PM na Bahia, e o soldado Leite, de Timon. Leite já responde processo interno na polícia.

Foram eles que apresentaram uma proposta do salário dos policiais passar de R$ 2.028,00 para R$ 2.200, segundo versão apresentada por deputados de oposição aos colegas da Assembleia.

O representante do governo no encontro, secretário João Alberto (Projetos Especiais), levou a proposta à governadora e deve apresentar a resposta na reunião desta quarta-feira

Os deputados Marcelo Tavares (PSB), Bira do Pindaré (PT), Eliziane Gama (PPS), Neto Evangelista (PSDB) e Zé Carlos da Caixa (PT) estiveram na OAB, mas foram barrados até porque não foram convidados.

Os próprios grevistas não querem mais dar conotação política ao movimento e serem usados por pretensos candidatos nas próximas eleições.

Por conta da conversa, há quem acredite que a greve pode acabar nesta quarta-feira.

Foto: Luís Pablo.

Dossiê do ‘arruaceiro profissional’ Marcos Prisco

O blog publicou ontem (reveja) que o PM baiano Marcos Prisco está no Maranhão insuflando os grevistas maranhenses para a prática de ações terroristas. Prisco foi acusado de falsidade ideológica pelo presidente do PTC de Rondônia, Jair Montes, que propôs à Executiva Nacional da legenda sua expulsão. A PM da Bahia informou nesta sexta-feira que ele não faz parte da corporação.

Segundo dossiê sobre o ex-policial publicado no blog Fato Real, Prisco é um verdadeiro “arruaceiro profissional” que participa de greves em vários estados “com o único propósito de fomentar a balbúrdia, a desordem e a indisciplina entre os milicianos, deixando claro ainda que seus interesses são de cunho inteiramente pessoais e que o modus operandi é exatamente igual àquele que empregou quando de sua participação na greve promovida na Polícia Militar da Bahia”.

Leia a íntegra:

A Polícia Militar da Bahia enviou hoje pela manha á Polícia Militar de Roraima, um dossiê completo sobre a vida pregressa de uns dos principais cabeças dos amotinados que estão ocupando o prédio do Comando de Policiamento da Capital.

Apesar de está incentivando ao crime os policiais com promessas de uma possível “anistia”, é notório que esse fato não foi conseguido nem pelo próprio amotinado, se não vejamos:

1. “MARCOS PRISCO CALDAS MACHADO, demitido das fileiras da Corporação em 09 de janeiro de 2002 por participar de um levante grevista no ano de 2001 e tentativa de aquartelamento na sede do 8º BPM/São Joaquim. A época era soldado da PM;

2. Registra-se que durante o movimento ocorrido em 2001, PRISCO, na ocasião lotado no Corpo de Bombeiro Militar, liberou uma interdição do portão de acesso ao quartel, limitando a entrada apenas à praças;

3. Após sua exclusão, o supracitado vem mantendo contato com lideranças sindicais e participando de manifestações nas corporações dos Estados da Federação;

4. Sempre apontado como única voz atuante da debilitada Associação dos Policiais Bombeiros Militares da Bahia – ASPOL, entidade criada por policiais militares excluídos por participação da referida manifestação;

5. Há uma dissidência dentro da ASPOL, destacando que PRISCO não se relaciona mais com o também ex-policial militar JOSÉ LOURENÇO DE SOUZA DIAS, presidente da referida associação, uma das lideranças na ocasião do levante de 2001. A ASPOL conta com 40 membros e não tem articulação no seio da tropa, vivendo de matérias que promove na mídia que insiste no caos;

6. Hoje, PRISCO se apresenta como membro da Associação Nacional de Entidades de Praças Militares – ANASPRA, entidade criada no Estado de Minas Gerais após a greve ocorrida em 1997 naquele estado. Atualmente a ANASPRA não apresenta representatividade nacional;

7. PRISCO está articulando em Salvador a criação de uma filial da ANASPRA, por enquanto sem repercussão;

8. Ele ainda foi candidato a vereador na cidade de Salvador pelo P-SOL, não alcançando o êxito, tendo sua campanha financiada por um grupo ligado a ex-Senadora HELOÍSA HELENA e a coordenação de campanha por conta do Sindicato dos Trabalhadores Federais da Saúde, Trabalho e Previdência do Estado do Rio de Janeiro (Sindisprev/RJ), vindo a demonstrar interesse em se lançar candidato a deputado estadual, nas eleições de 2010, sem prospecção de lograr êxito”.

Nota-se, portanto, que se trata de alguém que já possui vasta experiência em praticar tal tipo de conduta e que se aproveitando da situação de momento, deslocou-se, financiado por interesses espúrios ao Estado de Roraima, com o único propósito de fomentar a balbúrdia, a desordem e a indisciplina entre os milicianos, deixando claro ainda que seus interesses são de cunho inteiramente pessoais e que o modus operandi é exatamente igual àquele que empregou quando de sua participação na greve promovida na Polícia Militar da Bahia; movimento aquele que culminou com sua exclusão das fileiras daquela Corporação juntamente com outros policiais militares que se aquartelaram naquela ocasião. Sendo assim MARCOS PRISCO constitui um péssimo exemplo a ser seguido por aqueles que sustentam o lema Proteger e Servir a Sociedade.

Eliabe de Souza Campos – Maj QOPM – Assessor de Imprensa da PMRR
(campos3estrelas@hotmail.com)

Resposta da Polícia Militar da Bahia sobre Marcos Prisco Caldas Machado.

1- No dia 31/01/2011 foi publicado pelo Tribunal de Justiça da Bahia o acórdão que julgou o mandado de segurnaça nº 0005628-09.2010.805.0000-0 em favor de Marcos Prisco;

2- O processo atulamente encontra-se no gabinete do desembargador Paulo Fortunato para a tomada de decisão;

3- A Polícia Militar da Bahia (PMBA), até então, não foi notificada pelo Tribunal de Justiça do Estado a respeito de qualquer de decisão a respeito do ex-policial militar  in lide;

4- Desde que foi demitido da PMBA no dia 09/01/2002, em nenhum momento foi reintegrado às fileiras da corporação.