Estudante de Direito denuncia agressão de PMs

O estudante de Direito e guarda municipal Conrado Alvares Ewerton, de 35 anos, procurou a Comissão de Direitos Humanos da OAB/MA para denunciar que foi agredido por dois policiais militares, na última quarta-feira (114), apresentando-se com um enorme hematoma no olho, segundo ele, em conseqüência, de um soco desferido por um dos PMs.

Conrado diz ter sido agredido por dois PMs. Um deles aplicou-lhe um soco

Conrado relata que no dia 11, por volta das 2h, trafegava em sua moto na Avenida Jerônimo de Albuquerque, em companhia de uma amiga, em direção do seu apartamento, localizado no bairro do Angelim, quando foi abordado por PMs que mandaram parar o veículo. De imediato, ele atendeu a solicitação, entregando sua documentação e a do veículo. Indagado de onde estava vindo ele respondeu que vinha da farmácia Pague Menos da Cohama, onde fora comprar um remédio, conforme nota fiscal apresentada. Os policias usando palavras de baixo calão, e com muita agressividade, o revistaram e jogaram os documentos em cima do capô da viatura, insinuando que ele poderia portar algum tipo de droga ou que seus documentos eram falsos.

Segundo o estudante, nada foi encontrado e ele então questionou a forma violenta da abordagem policial, no que um dos policiais o chamou de “saliente”, ameaçando-o prendê-lo por desacato. Ele então retrucou dizendo que sua conduta não poderia ser classificada como desacato, pois, em nenhum momento tinha dirigido palavras ofensivas aos policiais. Nesse momento, , um dos PMs desferiu-lhe um soco no olho e o outro encostou no seu peito uma pistola e o jogaram de forma truculenta dentro do camburão, onde este permaneceu, juntamente com diversos objetos, entre os quais um pneu e vários cones de sinalização, sendo conduzido ao Plantão do Cohatrac. A amiga do estudante foi levada no banco traseiro da viatura e a sua moto, levada por um dos policiais, conduzindo-a sem capacete.

Conrado contou, ainda, que os policiais não portavam a tarjeta de identificação e que nenhum dos plantonistas quiseram  informar os nomes deles. Ele então pediu para falar com a delegada  de plantão, Edmarine Chagas Costa. Os plantonistas o aconselharam a ir embora e não falar com a delegada, pois se ele fizesse isso seria pior para ele, já que teriam que fazer um TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência).

O jovem insistiu e, depois de contar sua versão para a delegada foi lavrado o TCO, tendo ele se  comprometido a comparecer no mesmo dia no 14º DP (Bequimão) para tomar ciência de audiência preliminar marcada para 24 de abril. Antes de ir ao 14º DP, o estudante foi até o IML fazer exame de corpo delito. Através de contatos na polícia, ele identificou os policiais como sendo cabo Moisés (Moisés de Jesus Ferreira Serrão), nº 436/93, matrícula nº 110858) e soldado M. Soares (matrícula nº 123/2010).

“Estou muito indignado com isso, me senti torturado. Eu não estudo tanto para ser tratado como marginal. Esse tipo de policial é pior do que bandido, eu vou até o fim com as denúncias, para que eles não façam mais isso com ninguém” desabafou Conrado.

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB/MA, Luis Antonio Pedrosa, lembrou que, no início do ano, outro estudante de Direito, Ângelo Rios Calmon, também foi agredido por policiais do serviço velado. “É inaceitável que policiais que cometem crime de tortura continuem trabalhando a serviço da sociedade, esses crimes não podem ficar impunes”, afirmou.

O estudante denunciou a agressão também na Supervisão de Investigação de Crimes Funcionais (Sicif), na Beira-Mar, e na Corregedoria Adjunta de Polícia Militar.

‘Lei Detefon’: TJ mantém direito do Estado de aposentar coronéis

Na sessão desta quarta-feira (29) o Pleno do Tribunal de Justiça manteve decisão do presidente da Corte, desembargador Antonio Guerreiro Júnior, que suspendeu os efeitos de liminares concedidas pela 2ª, 4ª e 5ª Varas da Fazenda Pública da capital em favor de três coronéis da Polícia Militar. As decisões impediam que os coronéis fossem transferidos compulsoriamente para a reserva remunerada, determinando sua permanência na função até julgamento final.

Desembargador referendaram decisão do presidente Guerreiro Júnior

Os militares impetraram mandados de segurança, informando que estariam na iminência de serem compulsoriamente transferidos para a reserva, por estarem completando oito anos no posto de coronel da PM.

Eles alegaram inconstitucionalidade do artigo 120, incisos I e II da Lei Estadual 6.513/95 (Estatuto dos Policiais Militares do Maranhão) – que determina a aposentadoria compulsória ao policial que atingir o limite de 62 anos e para oficiais que completarem oito anos no último posto ou graduação – enquanto a Constituição Federal autoriza a permanência na ativa até o limite de 70 anos de idade.

Recurso

O Estado do Maranhão recorreu contra as decisões liminares que favoreceram os militares, alegando que acarretariam grave comprometimento da ordem e da segurança públicas, sendo a transferência compulsória respaldada por autorização constitucional, não ferindo o princípio da razoabilidade diante das peculiaridades da função.

Em ato monocrático, o desembargador Guerreiro Júnior acatou o pedido do Estado, para suspender os efeitos das decisões. Inconformados, os militares recorreram da suspensão, alegando direito líquido e certo de permanecerem na ativa até julgamento do mérito dos mandados de segurança, apontando violação a princípios da moralidade, legalidade, proporcionalidade e razoabilidade.

Apreciando o pedido, os membros do Pleno do TJ mantiveram, por unanimidade, a decisão de Guerreiro Júnior, por entenderem não comprovada a inexistência de lesão à ordem pública. No voto, Guerreiro Júnior ressaltou que a apreciação em pedidos como esse é restrita e vinculada, não cabendo adentrar aos argumentos levantados pelos militares, mas devendo limitar-se a averiguar a lesão à ordem, saúde segurança e economia públicas.

O magistrado entendeu ainda que as decisões que mantiveram o direito dos militares a permanecerem na ativa ofenderam a Lei 6.513/95 – que goza de presunção de legitimidade – além de limitar as funções da Administração e ameaçar o direito de outros militares à promoção.

‘Lei Detefon’: TJ manda coronéis para reserva

O presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, desembargador Antonio Guerreiro Júnior, determinou, nesta terça-feira, 10, que os coronéis Edmilson da Silva Saldanha, Adécio Luís Vieira e Roberto Uchoa Lima sejam transferidos, compulsoriamente, para a reserva remunerada da Polícia Militar. A decisão abre a possibilidade de promoções no quadro da PMMA.

Uchoa foi beneficiado por liminar

A decisão atende a um pedido do Governo do Estado de suspensão das liminares concedidas pelos juizes da 2ª, 4ª e 5ª Varas da Fazenda Pública de São Luís, que determinavam a permanência dos coronéis no exercício de suas atividades, apesar de já terem cumprido o tempo para transferência para a reserva, conforme prevê o artigo 12 da Lei Estadual 7.855/2003.

Na decisão, Guerreiro ressalta que a suspensão de decisões proferidas por magistrados de primeiro grau é medida de exceção, mas que é imprescindível a apreciação de requisitos específicos sobre a ordem, a saúde, a segurança e a economia públicas, não cabendo a apreciação do mérito.

“Entendo que o empecilho à colocação de reserva dos coronéis, burla a regularidade da prestação daquele serviço público e o devido exercício das funções da Administração pelas autoridades militares constituídas”, conclui o presidente. Leia aqui a íntegra da decisão.

Policiais encerram greve sem nenhuma conquista

Os policiais civis que aderiram à greve a PM no último 28 resolveram, no início da noite desta quarta-feira (14), encerrar o movimento. A assembleia-geral que decidiu pelo fim do movimento foi realizada no auditório da Secretaria de Segurança.

Reunião aconteceu no auditório da secretaria. Foto: Diego Chaves

Os policiais resolveram acatar sugestão do secretário Aluísio Mendes (Segurança) e esperar até o dia 31 de janeiro, período em quem o Governo do Estado deve apresentar um Plano de Cargos e Carreira para a categoria.

Na verdade, os policiais deflagraram a greve para apoiar o movimento dos PMs, que negociaram suas conquistas sozinhos e deixaram os colegas “pendurados na brocha“.

O movimento foi deflagrado sem nenhum comunicado oficial à Secretaria de Segurança, segundo documento divulgado na ocasião pela cúpula da Polícia Civil.

Em resumo: uma greve irresponsável, iniciada de forma totalmente equivocada, só poderia ser encerrada sem nenhuma conquista concreta.

PMs perderam oportunidade histórica

A greve dos PMs e bombeiros acabou, mas suas consequências não.

PMs ganharam aumento mas esqueceram os policiais civis

Depois de deixarem os policiais civis “pendurados na brocha”, o movimento também vai trazer grandes prejuízos aos próprios militares.

Explica-se: o governo estava estudando a implantação de um plano que abrangesse todos os servidores, incluindo os inativos.

Como eles resolveram realizar a greve e o governo obrigado a antecipar o aumento, o estudo foi abandonado temporiarimente.

Apesar de estarem cantando vitória, os militares sairam perdendo.

Explica-se mais uma vez: o estudo do governo planejava uma equiparação dos PMs e bombeiros com os policiais civis, reivindicação histórica da categoria. Um agente da Polícia Civil recebe R$ 2,6 mil em início de carreira.

Por conta do açodamento do movimento, os militares vão passar a receber R$ 2.240,00 em março, contra os R$ 2.028,00 atuais.

“Foram uns cabeças-oca que não esperaram uma equiparação com a Polícia Civil”, definiu o deputado Manoel Ribeiro (PTB) nesta segunda-feira.

Nota: Post alterado às 18h20 para correção de informação.

PMs voltam ao trabalho; civis continuam em greve

Após decisão pelo fim da greve de dez dias, em assembleia-geral realizada nesta sexta-feira (2), os policiais militares e bombeiros do Maranhão começaram a voltar ao trabalho de forma gradativa neste sábado (3), segundo a Secretaria de Segurança Pública.

Greve de PMs e bombeiros foi encerrada ontem. Foto: JR Celedonio

Segundo o governo, parte dos 7 mil policiais já havia retornado às atividades a partir da 0h deste sábado e ao longo do dia os demais turnos seriam normalizados.

A secretaria informou ainda que durante este fim de semana, homens da Força Nacional e do Exército continuarão mobilizados na capital São Luis e em outras cinco cidades. Os homens do Exército devem permanecer mais uma semana no Maranhão, enqaunto a Força Nacional deve ficar até o dia 15

A categoria encerrou a paralisação iniciada no dia 23 após contraproposta apresentada pelo governo, que prometeu reajuste de 10,46% no salário, a partir de janeiro, e aumento do vale alimentação de R$ 250 para R$ 300 a partir de agosto de 2012. Os salários subiriam de R$ 2.028 para R$ 2.240, a partir de marcço de 2012. Haverá aumento em 2013 e 2014.

Polícia Civil

Investigadores da Polícia Civil, que aderiram à greve da PM no último dia 28, ainda não retornaram ao trabalho. A reivindicação deles é a criação de um plano de cargos e salários, além de reajuste na remuneração da categoria.

(Com informações do G1).

Leia a íntegra do acordo do governo com PMs

Tabela mostra como vai ficar salário de PMs e oficiais após acordo com Governo do Estado

TERMO ACORDO E COMPROMISSO

Pelo presente instrumento e na melhor forma do Direito, de um lado, o Estado do Maranhão, neste ato representado pelo Excelentíssimo Senhor Secretário de Estado de Projetos Especiais, Dr. João Alberto de Sousa e, de outro, a Associação dos Bombeiros Militares do Estado do Maranhão, Associação de Cabos e Soldados do Estado do Maranhão e Associação dos Servidores Públicos Militares do Estado do Maranhão, mediante a interveniência da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Maranhão, neste ato representada pelo seu Presidente, Mário de Andrade Macieira, têm entre si ajustado a celebração deste termo de Acordo e Compromisso, mediante as seguintes cláusulas e condições.

CLÁUSULA PRIMEIRA – Com apresentação dos militares até 24h do dia 2 de Dezembro de 2011, todos os procedimentos administrativos (sindicâncias ou processos) instaurados serão extintos pelo Comando da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar.

§ 1º – O Valor do subsídio dos policiais e bombeiros militares referente ao período de paralisação serão pagos mediante a reposição de jornada de trabalho.

§ 2º – O Estado do Maranhão encaminhará petição, através de sua PGE (Procuradoria Geral do Estado) requerendo a homologação do acordo referente ao fim da paralisação e para que seja extinta a Ação Declaratória de Ilegalidade da Greve nº 32483/2011, com a dispensa de pagamento da multa fixada.

CLÁUSULA SEGUNDA – O Governo do Estado do Maranhão se compromete a mobilizar esforços junto à Bancada do Estado do Maranhão no Congresso Nacional para que seja apresentado projeto de lei de anistia aos militares participantes do movimento reivindicatório, iniciado no dia 23 de novembro e terminado em 2 de dezembro de 2011.

Parágrafo Único – Não haverá punições nem retaliações aos participantes da paralisação e as remoções somente serão realizadas nos termos da Lei de Movimentação da Polícia Militar.

CLÁUSULA TERCEIRA – Os policiais e bombeiros militares se comprometem a retornar às suas atividades normais regulares até 24h do dia 2 de dezembro de 2011.

CLÁUSULA QUARTA – Será constituída Comissão Paritária Permanente, formada por três representantes do Governo Estadual e três das Entidades Associativas de representação dos Policiais e Bombeiros Militares, a fim de elaborar estudos e propor medidas que visem à Revisão do Regime Disciplinar da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão.

Parágrafo Único – A Comissão também terá a atribuição para desenvolver estudos e propor medidas que visem à redução da carga horária de trabalho dos Policiais e Bombeiros Militares do Estado do Maranhão, à reestruturação da carreira dos Policiais e Bombeiros Militares do Maranhão; e analisar outras mudanças de interesse das categorias para a boa organização dos serviços de segurança pública do Estado.

CLÁUSULA QUINTA – O Governo do Estado do Maranhão encaminhará ao Poder Legislativo, Projeto de Lei determinando o reajuste de 10,45% sobre o subsídio dos Policiais e Bombeiros Militares do Estado do Maranhão, a partir de 1º de março de 2012. E reajuste de 7% incidente sobre o subsídio dos Policiais e Bombeiros Militares vigente em 31/12/2012, com aplicação a partir de 1º de março de 2013, e ainda reajuste de 7% incidente sobre o subsídio dos Policiais e Bombeiros Militares vigente em 31/12/2013, com aplicação a partir de 1º de março de 2014.

Parágrafo Primeiro – Em razão do previsto no caput desta cláusula, os valores dos subsídios dos Policiais e Bombeiros Militares do Estado do Maranhão, serão constante da tabela anexa, que farão parte integrante do presente Termo.

Parágrafo Segundo – O projeto de lei a ser enviado à Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão também disporá sobre a fixação da data de revisão anual dos subsídios dos Policiais e Bombeiros Militares do Estado do Maranhão, fixando-a para 1º de março.

Parágrafo Terceiro – O auxílio-alimentação será acrescido de R$ 50,00, totalizando R$ 300,00, a partir de agosto de 2012.

E por estarem assim justos e acordados subscrevem o presente que vai firmado em quatro vias de igual teor.

São Luís 2 de dezembro de 2011.

Nota: Post publicado às 23h26.

Notícias da Noite

Covarde e analfabeto
Essa é uma das muitas ameaças que tenho recebido durante e até agora após a greve:

João Araujo Filho (araujofilho_sdi@hotmail.com)
IP do computador: 187.79.6.231
Enviado em 02/12/2011 as 10:06

“Decio tua hora tá chegando a greve vai terminar se Deus quiser, ai tu vais colher o que plantaste, por essas e por outras paga o documento do teu carro e se beber não dirija pois tem o presente guardado pra voçe que se fosse eu não queria, quem avisa amigo é.”

Como se vê, além de covarde, analfabeto.

Tudo por umas férias
Depois de dar “piti” e arrombar a porta que dá acesso ao Plenário, o deputado Marcelo Tavares (PSB) até que fim tomou uma atitude coerente. Apoiou o presidente da Assembleia, Arnaldo Melo (PMDB), em sua intenção de pedir a reintegração de posse do prédio do Poder Legislativo por causa da ocupação ilegal dos PMs e bombeiros. O líder da Oposição está preocupado mesmo é com as férias do fim do ano, o que o prolongamento do movimento poderia prejudicar. Já marcou viagem com a família.

Nem aí
O deputado e líder do governo, Manoel Ribeiro (PTB), esteve quinta-feira pela manhã na Assembleia, após afirmar em entrevista que a greve “virou bagunça”. Quando ia deixando o prédio, um grupo de grevistas virou as costas. O parlamentar abaixou o vidro do carro e falou alguns improprérios.

Está rolando sentimentos?
O ex-policial Marcos Prisco, expulso da PM da Bahia, falava aos grevistas durante uma assembleia-geral quando avistou a deputada Eliziane Gama (PPS). Encantado com a morena, não titubeou. “Essa é a nossa musa da greve”. Ficou um clima de sentimento no ar.

Numa boa
Enquanto os grevistas improvisavam almoço de churrasco e quentinhas na Assembleia, Prisco foi flagrado saboreando uma boa camaroada no restaurante Dona Maria. Quem pode, pode!

Quase astro
Sabe como é o nome completo do presidente da Associação dos Bombeiros, um dos líderes da greve. Jean Marrie Van Damme. Não lembra nem de longe o astro do cinema.

PMs deixam agentes ‘pendurados na brocha’

Com o fim da greve dos PMs e bombeiros, os policiais civis ficaram, literalmente, a ver navios.

Policiais civis foram se 'solidarizar' com PMs e agora estão sem rumo

Anunciaram uma paralisação extemporânea, apenas para se “solidarizar” com os militares, não tiveram sua pauta de negociação incluída no acordo destes com o governo, e agora estão sem rumo. Ficaram “pendurados na brocha”‘, como se diz popularmente.

Na quarta-feira estourou até uma crise entre militares e civis por conta disso. Os agentes acusaram os “colegas” de “traição” e ameaçaram abandonar o prédio da Assembleia onde todos estavam “amotinados”.

Depois de vários apelos dos “muy amigos” PMs, os agentes resolveram permanecer a contragosto na sede da Assembleia. Sem rumo, terão de voltar agora para prédio velho de guerra da RFFSA. Estão bastante ressentidos com os “companheiros”.

Mas o pior ainda pode estar por vir. Em nota (reveja), a alta cúpula da Polícia Civil classifica a greve dos agentes de ilegal por não ter feito as comunicações devidas e não respeitar os prazos legais para a deflagração do movimento.

Não será surpresa se o movimento também for declarado ilegal e a justiça ainda multar o sindicato da categoria.

PMs são indiciados por ‘execução’ de pedreiro

Pedreiro José Ribamar Batista

Um relatório parcial divulgado ontem pela Polícia Civil comprova que o pedreiro José de Ribamar Vieira foi mesmo executado por policiais que o perseguiram da Cidade Operária ao Retorno da Forquilha no dia 1º de novembro.

O cabo Joniel Ribeiro e o soldado Francisco Silva foram indiciados por crime duplamente qualificado. A vítima foi perseguida e morta por supostamente ter abastecido R$ 10 num posto de gasolina na Cidade Operária e saído sem pagar. No entanto, familiares do pedreiro mostraram sua carteira com R$ 50 após o crime. A família só foi avisada do assassinato no dia seguinte.

“A gente entende que houve um erro de procedimento, um excesso na abordagem (dos policiais) que, infelizmente, teve esse desfecho nefasto”, declarou o superintendente da Polícia Civil na Capital, Sebastião Uchoa, em entrevista à TV Mirante.

O inquérito ainda não foi concluído porque falta o Comando da PM liberar o exame nas armas do cabo e do soldado, afastados de suas funções. Os policiais que levaram a vítima até o hospital após o crime ainda serão ouvidos.

O relatório preliminar comprova que José Ribamar não esboçou qualquer reação e foi assassinado ainda dentro do carro, segundo revela o vídeo abaixo, um das principais provas contra os assassinos.


Blindados e helicópteros já estão no Maranhão

Urutu já circula no patrulhamento das ruas de Imperatriz, no sudoeste do Maranhão

Na terça-feira o blog revelou que o Exército estava trazendo mais mil homens, dois blindados Urutu e dois helicópteros Pantera para reforçar o policiamento no estado (reveja).

Helicóptero faz transporte de homens em São Luís

Informei ainda que eles seriam usados no transporte de tropas, apesar de serem muito empregados em missões de defesa da pátria, garantia dos poderes constitucionais, da lei e da ordem e em ações em conjunto com outros órgãos públicos federais ou estaduais. Igualzinho ao que acontece hoje no Maranhão.

Como sempre muita gente achou que o blog estava mentindo. Pois as fotos mostram a presença de um dos Urutu patrulhando as ruas de Imperatriz e o Pantera transportando homens em São Luís.

Após a reunião de desta quarta-feira na OAB, o coronel Medeiros Filho (10ª Região Militar) disse que a vinda dos homens do Exército “é natural” para que os que estão trabalhando desde o início da greve tenham folga.

Ele afirmou que o Excército nunca discutiu uma possível desocupação do prédio da Assembleia. “Nunca se cogitou essa possibilidade. A desocupação deve ser judicial. Acredito eu que o oficial de justiça chegando lá e pedindo eles vão sair”, declarou ele para incredulidade dos repórteres.

Helicóptero Pantera, do Exército, pode ser armado com metralhadora ponto 50

Para que o prédio possa ser desocupado, é necessário primeiro que o presidente Arnaldo Melo (PMDB) solicite a reintegração de posse ao Tribunal de Justiça. Até hoje ele não tomou essa providência.

Medeiros Filho disse que o Exército está no Maranhão em “missão de paz”. “A principal função do Exército Brasileiro no mundo é atuar como força de paz. Não seria no Brasil que o Exército não seria força de paz. Estamos apenas com o braço forte e a mão amiga estendida para todos – e de alguns até carregando no colo”, declarou.

Como é bom ser grevista!

É por causa de imagens como essa que os grevistas da polícia estão ameaçando profissionais de imprensa. Na foto é possível ver policiais à fente de uma televisão novinha em folha (o pé dela ainda está plastificado) jogando videogame. Como já denunciou o blog (reveja), o prédio da Assembleia Legislativa se transformou num verdadeiro parque de diversão. E o pior é que o presidente da Casa, Arnaldo Melo (PMDB), não toma uma providência.

Charge eletrônica: greve da polícia

Bomba! Ivaldo será declarado ‘desertor’ nesta 6ª

O coronel “balaio” Ivaldo Alves Barbosa tem só até esta sexta-feira (2) para abandonar a greve dos PMs e bombeiros, iniciada por ele, e se apresentar em seu local de trabalho, no Batalhão do Calhau. Do contrário amanhecerá o sábado declarado desertor, com seus vencimentos cortados, prisão automática de 60 dias e processo disciplinar cuja pena varia de 4 a 8 anos de cadeia.

Coronel Ivaldo comandou e ainda incentiva insubordinação de PMs

Os dois primeiros procedimentos de ausência que dão origem aos processos de deserção foram abertos contra Ivaldo, dia 25, sexta-feira passada, e contra o major Antonio Ferreira Brandão, dois dias mais tarde. Brandão será considerado desertor na segunda-feira, dia 5 de dezembro.

O Comando Geral da PM decidiu iniciar os processos de punição pelos militares de alta patente que influenciaram seus subordinados à greve, decretada ilegal pela justiça no primeiro dia.

A situação de baderna se agravou com a invasão da sede da Assembleia Legislativa, onde os amotinados se entregaram ao comando de um ex-soldado da PM da Bahia e de um soldado de Roraima, ambos filiados ao PCdoB, partido que tem a liderança no Maranhão de Flávio Dino. Apesar de ex-juiz federal, o comunista publicou nota de apoio a uma greve decretada ilegal.

O outro coronel que trabalhou pelo início da greve, Francisco Melo, não conta tempo para ser considerado desertor porque está em gozo de licença prêmio, mas não escapa do inquérito por indisciplina que poderá lhe custar a perda da patente e a condenação à prisão.

O comandante-geral da PM, Franklin Pacheco, não revelou, mas sabe-se que todos os demais militares que se ausentaram dos serviços para aderirem à greve vão passar pelo mesmo processo. É clara a disposição de iniciar os procedimentos legais pelos de mais alta patente que encorajaram praças e cabos a se insubordinarem.

Há casos de punições sumárias, sem o rito da deserção e do longo processo na Justiça Militar. Cadetes (que são os militares ainda em formação na Academia de Polícia) e os praças e soldados que ingressaram entre 2007 e 2010. Estes serão sumariamente eliminados da tropa.

O governo também está sinalizando com um estudo de projeto de abertura imediata de concurso para seleção de novos policiais em quantidade suficiente para a substituição dos que possivelmente serão expulsos agora. O processo de preparação desse novo contingente se valeria das academias de polícia de outros estados que estariam dispostos a ajudar o Maranhão na recomposição da sua PM.

Veja os documentos que mostram o processo contra o Coronel Ivaldo:


Coronel Ivaldo anuncia fim da greve da PM

Em entrevista ontem à noite à Rádio Educadora, o coronel “balaio” Ivaldo Barbosa anunciou o fim da greve dos policiais para esta quarta-feira. “Amanhã (hoje) vamos dormir em nossas casa”, disse.

O coronel fez as afirmações após a reunião na OAB entre representantes do governo e dos grevistas, quando vários deputados foram barrados.

Segundo ele, para o movimento se encerrado faltava definir apenas a questão salarial. Clique e ouça: